Reposicionamento de marca: por quê?

Não há dúvidas que posicionar uma marca no mercado é um grande desafio. Este processo é composto por muitas questões e muito trabalho. Entretanto, pode ser que um dia o seu negócio necessite de um reposicionamento de marca. Certamente, depois de todo o esforço, você vai se pegar pensando “por que tenho que fazer isso?”. E nós vamos te explicar!

Você concorda que com o tempo as coisas mudam? Então, com o passar dos anos, as pessoas tem seus conceitos transformados, a moda se modifica, as ideias mudam e até mesmo os costumes e hábitos podem sofrer variações. Por isso, é preciso que o seu negócio se adapte às mudanças da sociedade e do seu público-alvo. É nessa necessidade de adaptação que mostra a hora do reposicionamento de marca.

Muitas vezes os empresários começam a perceber que é hora de mudar o posicionamento quando os resultados de seus negócios já estão apresentando perda de desempenho. Ou seja, o negócio já não está mais agradando o consumidor da mesma forma.

Você está sentindo essa necessidade? Então continue lendo esse artigo para entender como funciona o processo de reposicionamento de marca!

O que é um reposicionamento de marca?

Precisamos entender, antes de tudo, o que significa exatamente o reposicionamento de marca. Em síntese, podemos dizer que é quando mudamos a imagem que queremos transmitir para os nossos consumidores. Entretanto, é muito importante lembrar que apesar da nova adaptação, a essência do Business é a mesma.

Quando você começou a traçar os primeiros passos da sua empresa, foi necessária a definição do público-alvo, serviços e benefícios que seriam ofertados para os clientes, correto? Se reposicionar significa rever tudo isso e compreender como pensam os seus clientes e onde você quer chegar.

Quando o reposicionamento se faz necessário?

Com o passar do tempo tudo muda, inclusive o entendimento das necessidades e a percepção de valor. Dessa maneira, quando você começa a perceber que seus clientes estão mudando e isso está afetando seu relacionamento com eles, é hora de pensar em mudar também!

Quer uma ajuda para identificar alguns fatores que podem influenciar essa decisão? Presta atenção na lista de indicadores abaixo:

Internos

Alteração de segmentação de mercado;
Entrada em novos mercados;
Fusão ou aquisição;
Mudança da proposta de valor;
Mudança de estratégia

Externos

Alteração no comportamento do consumidor;
Crises;
Identificação de oportunidades;
Novas prioridades no mercado;
Mudança de demanda;
Surgimento de outros concorrentes

E por onde eu começo?

Antes de mais nada, ao pensar na mudança, deve ser realizada uma apuração sobre o seu público-alvo. Deve-se identificar quem é ele, como se comporta, do que gosta e quais são seus hábitos de consumo. Dessa forma, com o resultado desses e de outros questionamentos, você consegue montar a sua(s) persona(s). Com ela(s) em mãos, você pode passar para o próximo passo!

É hora de entender o mercado. Você tem que identificar seus concorrentes, seus pontos fortes e fracos, além das oportunidades e ameaças. Para esta etapa, uma dica tradicional e ao mesmo tempo eficaz, é a elaboração de uma matriz SWOT.

Com esses detalhes em evidência, você vai conseguir um esboço de como deseja se posicionar. Dessa forma, poderá começar a montar o seu planejamento de como chegar na execução do seu negócio! Agora, como você vai transmitir essa mudança é um ponto importante a ser levado em consideração. Isso depende muito da estratégia que será adotada. Sua comunicação deve estar muito bem alinhada, pois você pode ter certeza que não existe nada pior do que uma campanha que não impacta positivamente o público nesse momento de mudança. Há perda de dinheiro, tempo e pode haver, também, perda de credibilidade no mercado. Por este motivo, é muito importante contar com uma equipe profissional e qualificada.

Dicas para você não errar na hora de se posicionar

Análise de mercado

Entender como está o mercado é um passo crucial, tanto para quem deseja se manter nele quanto para quem visa realizar algum tipo de mudança em sua empresa. Em especial um reposicionamento. É preciso saber onde se está pisando e onde se quer chegar. Este é o momento de fazer isso para saber se vale realmente a pena entrar nessa empreitada!

Por isso, não deixe nada de fora:

– Como o seu negócio chegou até aqui?
– Quais são seus pontos fortes?
– Você conhece os seus pontos fracos?
– O que os seu concorrentes estão fazendo?
– Como está o seu mercado? Existem crises?
– Quais são os perigos externos para sua empresa?
– Que oportunidades podem surgir?
– Por que o seu posicionamento anterior (ou atual) não é mais funcional?
– Por que é preciso mudar de posicionamento?
– Como você pretende se posicionar?

Quem é o seu público?

Já que você sabe que é hora de mudar para acompanhar o ritmo do seu consumidor, uma das ações que você deve tomar é conhecê-lo melhor:

– Quem é esse consumidor?
– O que ele faz?
– Como ele consome?
– Quais são seus desejos?
– Que expectativas ele tem?
– Onde ele está?
– Do que ele gosta?
– Quais são seus anseios?
– Como ele fala?
– Que tipo de música ele houve?
– Quais são seus hobbies?
– Por onde ele circula?

Uma ótima maneira para entender o perfil do seu consumidor é fazendo uma pesquisa e montando uma persona.

Planeje – e muito!

Nenhum resultado é conquistado sem o devido esforço. Por isso o segredo de todo case bem sucedido é o planejamento e a mão na massa. Portanto, planeje muito! Parar para analisar e desenhar cada passo é muito importante. Não encare isso como perda de tempo! É um investimento que você está fazendo.

Se o seu fornecedor de confiança disse que a implementação do processo vai demorar 60 ou 90 dias não se assuste! Sua marca não chegou aonde está do dia para a noite, não é mesmo? E para ela ir para onde você deseja, é necessário muita pesquisa e trabalho. Além disso, é importante entender que alguns resultados só vêm a longo prazo. Por isso, crie metas de curto, médio e longo prazo.

Anuncie a novidade

Quando a gente termina algo que gosta muito é hora de contar para todo mundo, certo? Então, com a ajuda da sua agência de comunicação, é hora de anunciar a novidade! Não esqueça que nessa hora não é o momento de medir esforços. Então invista mesmo!

Mão na massa!

Já está decidido? Então é hora de colocar o planejamento em prática! Não esqueça que é muito importante construir uma identidade visual sólida, que reflita tudo o que você quer passar para o público! Além disso, suas boas novas devem estar alinhadas também ao que o seu público espera. Para que isso tudo dê certo, é necessário contar com uma equipe de especialistas no assunto! Lembre-se, especialmente nessa hora, que o barato pode sair muito caro!

Cinco erros recorrentes nas agências de comunicação

Quem nunca cometeu um, ou até mesmo alguns, erros dessa lista, que atire a primeira pedra! Mas é sempre melhor aprender com os erros do que permanecer no status quo, não é mesmo? A vida do profissional de comunicação não é um mar de flores, mas isso você já deve saber. O caminho nem sempre é o mais fácil e, as vezes, a gente acaba fazendo algumas coisas que não queremos. Ou até mesmo deixamos de fazer algo para manter o cliente. Vamos listar abaixo cinco erros que diversos profissionais cometem – ou já cometeram.

Esperamos que sirvam de exemplo e ajudem bastante 😀

Preço abaixo do mercado

Muitos de nós já fizeram isso alguma vez na vida, alguns ainda fazem. Dinheiro pode ser um assunto complicado a discutir, isso todos nós sabemos. Entretanto, você deve ter cuidado na hora de cobrar. Foram anos de estudo, prática e acumulo de conhecimentos. Você investiu seu tempo para se aperfeiçoar, portanto, tem todo o direito de cobrar um valor justo pelo seu trabalho. Se o cliente questionar seu preço, mostre a ele que seu trabalho vale cada centavo.

Se deixar ser monopolizado

Pagando bem ou não, nenhum cliente tem o direito de monopolizar o seu tempo – muito menos o da sua agência. Quando um cliente toma todo o seu tempo ele se torna seu chefe, e não um cliente. Permitir que ele dite suas horas pode ser o pior erro a cometer! Ainda mais depois que o prazo do contrato acaba. O ideal é conversar com seu cliente como funciona seu método de trabalho, quais horas você e sua equipe trabalham por dia, e quais dias da semana você vai estar disponível. Trabalha durante 4 horas pela tarde? Avise-o. Não trabalha de fim de semana? Avise-o. O respeito entre ambos deve existir sempre. Deixe isso bem claro, sempre.

Falhar na hora de vender

A próxima pior parte para a maioria das pessoas é “vender o próprio peixe”. Ou seja, saber vender a si mesmo e seus serviços. O cliente vai te pedir ajuda, entretanto, muitas vezes, ele nem sabe o que realmente quer ou precisa. Se você estiver disposto a ajudá-lo, responda oferecendo seus serviços de modo que ele se sinta acolhido. Tente entender sobre ele e suas necessidades, e tire o máximo disso.
O segredo é: ouvir mais do que falar.
Faça uma boa pesquisa sobre sua empresa ou produto, em todos os aspectos que achar necessário.

Sempre dizer ‘sim’

O medo pode levar-nos a fazer muitas coisas estúpidas. A maioria demora muito antes de começar a recusar pedidos, talvez pela instável vida financeira e pelas cobranças que chegam todo mês. Você tem que lembrar que um mau negócio, ou mau cliente, pode te prejudicar muito mais que perder um job. Esteja preparado para não concordar com tudo que vem pra você. E você também pode ser agradável e amigável mesmo sem concordar o tempo todo.

Dar muitas informações

Clientes não tem idéia do que as agências fazem. Se o cliente quer um website, ele contrata alguém, e tudo que ele se importa é carregar a página e ver seu lindo website online exatamente do jeito que queria.
Mas alguns cometem o erro de descrever cada passo do job, o plano detalhado da criação, cada idéia ou sketch, antes mesmo do contrato. Tome cuidado! Pois ele pode pegar todas essas informações, ideias e fechar com alguém que cobre menos. E infelizmente isso não é incomum. Se você ensinar seu cliente como criar um website, você estará se auto-sabotando.
Então não exponha todas suas idéias, não o-ensine a fazer o seu trabalho. Quando estiver conversando com seu cliente, seja honesto e responda suas perguntas, mas saiba a hora de parar, mesmo se for um cliente em potencial.

Espero que essas dicas te ajudem!

Facebook lança portal para cidadãos interagirem com candidatos eleitos

O Facebook acaba de lançar nesta segunda-feira (08/10) o Portal do Cidadão. Ele é uma ferramenta que ajuda as pessoas a encontrar, seguir e entrar em contato com candidatos escolhidos.

Através desse portal, será possível entrar em contato com autoridades municipais, estaduais e federais. Além disso, ele vai permitir pesquisar e interagir com entidades de serviços locais, como por exemplo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) ou a Polícia Civil. Também poderá ser visto um feed somente com assuntos que seu governo está publicando no Facebook.

Para usar esse recurso basta acessar pelo menu da rede social. Escolhendo a opção “Entrar em contato” com um determinado representante ou agência, serão exibidos os meios de contato listados pela página oficial. Incluindo a possibilidade de enviar uma mensagem diretamente pelo Facebook.

O Brasil é o segundo país no mundo a ter o Portal do Cidadão no Facebook. O primeiro foi os Estados Unidos, que onde o recurso já possibilita conexões entre eleitores e autoridades eleitas desde 2016.

Para se manter informado, esta ferramenta pode ser uma boa opção para se comunicar com os candidatos e governantes. Seja para criticar uma política, ou até mesmo para dar sugestões de problemas sociais, regionais e fiscalizar o que estão fazendo.

O que o recurso faz é providenciar uma lista com essas páginas de caráter público. Além disso, elas podem ser visualizadas em um feed especial. Ou seja, totalmente restrito para consultas do que os governantes andam fazendo, projetos, visões pessoais e outros.

O quanto é importante definir o público-alvo no seu negócio e o que isso significa dentro de uma estratégia

O que é público-alvo?

O público-alvo é um recorte demográfico, socioeconômico e comportamental de um grupo de pessoas. Essas informações possibilitam às empresas, determinarem o perfil de seus futuros consumidores, o que permite, elaborar uma comunicação eficiente e focada.

Mas, vale ressaltar a importância de se conhecer primeiramente, o seus próprios serviços e/ou produtos, e com quem eles devem conversar. Dessa forma não será difícil traçar um perfil, pois serão pessoas que se identificarão e interessarão pela sua marca.

Algumas das características utilizadas para se traçar esse perfil, são: Idade, sexo, profissão, interesses, classe social, localização, entre outros.

Primeiramente, ao começar a trabalhar na sua estratégia, é comum se perder de início, mas nada de pânico! Vamos guiá-lo em um tutorial básico de como dar seus primeiros passos.

Exemplificando:

Ao traçar o público-alvo de uma faculdade, quem eu devo atingir?

Principalmente alunos que estão concluindo o ensino médio e profissionais (jovens e seniores) em busca de especialização (Pós/MBA) ou segunda graduação, e profissionais em busca de especialização.

Traçando o perfil:
Idade: de 17 à 35 anos
Sexo: Ambos
Profissão e Interesses: ambos irão variar de acordo com os cursos oferecidos pela Instituição (Direito, Comunicação, Marketing, Odontologia, Contabilidade, etc)
Classe social: Classe B e C (também pode variar de acordo com o porte da Instituição)
Localização*: Rio de Janeiro, RJ – Cidade onde está localizada a faculdade
*Em caso de algumas lojas/restaurantes, o mais indicado é segmentar a localização por bairro, ou até mesmo área de atuação (perímetro em Km).

Veja mais conteúdo produzido pela Nexos Creative aqui.

Dicas para transformar seu negócio no Google Adwords em verdadeiro sucesso

Transforme seu negócio no Google Adwords em um verdadeiro sucesso

O primeiro passo é: tenha um objetivo bem definido para o crescimento da empresa. Primordialmente, deve-se saber quem é o seu público-alvo. Isso vai fazer com que sua margem de erro diminua e que sua campanha seja mais precisa. Não é novidade que a necessidade de estar no mercado digital faz diferença nos negócios e por isso, o Google Adwords tem crescido tanto nos últimos anos.

Mas, para ter o efeito esperado é preciso pensar bem na criação de sua campanha dentro da plataforma. Com as técnicas corretas é possível alavancar o volume de tráfego para o seu site e evitar gastos desnecessários.

Dando destaque ao anúncio

Ao construir seus anúncios, use o máximo de palavras-chave no título e corpo do textos. Já que os resultados de busca no Google são ranqueados de acordo com sua relevância. Portanto, ao utilizar as palavras corretas, suas chances de se destacar serão ampliadas e seu conteúdo se tornará mais atrativo para o cliente.

Faça um anúncio para cada coisa

Trabalhe com vários grupos de anúncio e em cada um destaque aquilo que deseja, construindo listas limitadas para cada ação, ao invés tentar fazer tudo em único anúncio. Organizando dessa forma sua relevância aumenta no sistema de pesquisa.

Acerte no alvo

A geolocalização pode influenciar significativamente no desempenho de sua campanha. Ela possibilita com que limite a área de atuação de seu do seu anuncio, aumentando consideravelmente suas chances de atingir seu consumidor final, evitando gasto de tempo e, principalmente, dinheiro com quem não é seu público-alvo.

Ex.: Um hortifrut que trabalha com entregas. Porém o estabelecimento só atende o seu bairro.

Neste caso, a forma mais precisa de trabalhar o anúncio é usando a ferramenta de delimitação por raio, pôs a campanha só rodará dentro do seu espaço de atendimento. Aumentando a chances de venda da empresa!

Monitoramento sempre

Depois de criar sua campanha não pense que o trabalho acabou, o monitoramento deve ser constante. O Google Adwords oferece diversas ferramentas que ajudam os usuários a aproveitarem ao máximo o potencial de suas campanhas, por isso, acompanhe-as diariamente e faça alguns testes para avaliar com qual terá o melhor desempenho.

Bem, essas são só algumas das estratégias que vão ajudar a sua campanha a crescer. O importante é ter um público-alvo bem definido e objetivos bem traçados, sempre acompanhados de monitoramento frequente.