Remarketing: o que é?

Com certeza você já foi “perseguido” por banners de anúncios de algum produto ou serviço que estava pesquisando anteriormente: uma promoção de passagem aérea, um tênis, desconto em roupas, artigos de informática, por exemplo. Mas, você sabe o que isso significa? O nome dessa estratégia adotada pelas empresas é: remarketing.

Diversas pessoas são impactadas por essa ferramenta, mas não sabem como utilizá-la a seu favor, tanto B2B quanto B2C.

Nesta publicação, vamos explicar melhor o assunto, confira:

O que é remarketing?

Primeiramente, é bom esclarecer que “remarketing” e “retargeting” são praticamente a mesma coisa. Entretanto, a única diferença é a forma como o Google chama a sua própria ferramenta de retargeting. Outras plataformas, como por exemplo o AdRoll e o ReTargeter, utilizam o termo retargeting mesmo.

A palavra “retargeting” vem do inglês “target”, que significa “alvo”. Ou seja, a ideia do retargeting é impactar mais de uma vez a mesma pessoa, com anúncios que o usuário vê após a primeira busca pelo tema, em uma determinada página visitada ou outro tipo de interação.

Qual é o objetivo do remarketing?

O remarketing possui um objetivo claro: aumentar a conversão, ou seja, a venda. Isso acontece porque nem todo mundo toma a decisão de compra na primeira vez que é impactado por um anúncio. Na verdade, um número bem pequeno de usuário faz isso. De acordo com dados do Google AdWords, 97% dos visitantes de ecommerce não convertem na primeira visita. Dessa forma, o remarketing vem como uma possibilidade de continuar aparecendo para o cliente que ainda não converteu, para que enquanto ele pense no assunto continue com a marca em mente.

Há diferentes etapas entre o primeiro contato do usuário com a empresa até a efetivação da compra. Podemos dividi-las em quatro momentos diferentes:

– Consciência: quando a pessoa começa a procurar sobre o assunto, sem necessariamente ter a intenção de compra;
– Consideração: quando o usuário já tem algum conhecimento e está cogitando a efetivação da compra. Podemos considerar, aqui, a comparação de preços e busca por recomendações, por exemplo;
– Compra: é quando a pessoa faz a compra em si;
– Fidelização: momento pós-compra, quando a intenção é focar em uma nova conversão.

Dessa forma, com um plano de remarketing bem estruturado, é possível alcançar usuários em diferentes etapas desse funil e levá-los para a etapa seguinte.

Como funciona o remarketing?

O sistema de funcionamento é simples, e vamos usar como exemplo o Google Adwords. O usuário está procurando no Google por “Serviços de Marketing Digital” e clica em um anúncio pago na página de resultados. Quando ele entra no site do anúncio, um cookie, que funciona como se fosse um carimbo, é armazenado em seu computador, possibilitando que o Google te identifique e exiba posteriormente para você anúncios deste mesmo site. Assim, os anúncios vão aparecer em outros sites parceiros que abrem o espaço para anúncios – Rede Display –  ou nas páginas de resultados – Rede de Pesquisa.

Dessa forma, você será impactado por novos anúncios durante algum tempo, para convencê-lo a fazer a conversão. Normalmente, o período do remarketing é de 30 dias, mas pode variar, de acordo com a plataforma e as configurações utilizadas.

7 dicas para turbinar sua Company Page no LinkedIn

Algumas ações simples podem aumentar significativamente as chances de a sua empresa ser encontrada na rede social dedicada aos negócios.
Se a sua empresa ainda não possui uma Company Page no LinkedIn, é bom providenciar uma o mais breve possível, pois a rede possui mais de 500 milhões de perfis profissionais atualizados em todo o mundo. No Brasil, o número de usuários é de 29 milhões e esse número só tende a aumentar!

1. Amplie o contato com a sua equipe no LinkedIn

Interligar todos os seus funcionários no LinkedIn amplia a exposição orgânica da empresa. Portanto, essa é uma excelente tática, especialmente para negócios de grande porte. Dessa forma, a Company Page se torna um link clicável dentro do perfil de cada colaborador. Com uma novidade no ar é importante dar o “grito do escritório”, ou seja, fazer com que a equipe se mobilize para divulgar o conteúdo. Conversar em grupos distintos e fomentar boas discussões envolvendo temas relacionados à empresa é ainda mais relevante.

2. Potencialize o desempenho do SEO

Uma Company Page inegavelmente amigável para o Google, o que contribui para a sua estratégia de SEO. Primeiramente, certifique-se de ter selecionado as palavras-chave certas para o seu negócio e de o conteúdo estar adequado ao público-alvo. Além disso, é importnate adicionar termos relevantes na descrição da sua empresa. Essa prática aumenta as chances de classificação no LinkedIn ao mesmo tempo que ajuda a empresa a ser encontrada em buscas feitas da “barra de pesquisa” da plataforma.

3. Otimize sua URL

Quando a Company Page é criada, uma URL padrão, com um código numérico sem significado, é gerada. Portanto, para personalizar a página, entre em suas configurações do LinkedIn e clique em “perfil de público”. Crie uma URL simples e use o nome da empresa, caso estiver disponível. Se precisar alterar, mantenha a extensão que a empresa utiliza em outras redes sociais.

4. Faça anúncios efetivos

A Company Page permite que você execute ações patrocinadas para promover o seu conteúdo. Ou seja, a capacidade de segmentação e foco é muitas vezes superior à de outras redes, como o Facebook. Estão aí excelentes oportunidades para você levar tráfego de alta qualidade ao seu site em um curto período de tempo.

5. Mensure o desempenho das suas publicações

Analisar a quantidade de visualizações, cliques e engajamento nas últimas publicações da sua empresa é primordial para identificar o que ressoou melhor com a audiência e ajustar o discurso para as próximas publicações.

6. Tenha informações valiosas sobre os seguidores

Um painel reúne dados dos seguidores com várias informações relevantes (cargos, setor de atuação, porte das empresas etc.) e indica se os seus investimentos e conteúdo estão sendo efetivos para atrair o público desejado.

7. Use os botões sociais

Há diversos plugins que podem ser inseridos no seu site ou blog para levar o visitante a seguir a sua página no LinkedIn.

É importante e essencial investir no conteúdo da sua Company Page e a Nexos sabe disso!

Por isso que trabalhamos com foco no seu crescimento, abordando todas a fontes e ferramentas para o sucesso do seu negócio.

Street View disponibiliza visita a parques da Disney

Parques da Disney estão disponíveis no Google Street View

O Google acaba de incluir mapas de diversos parques da Disney no Street View. Este recurso do Google Maps e do Google Earth disponibiliza vistas panorâmicas de 360° na horizontal e 290° na vertical e permite que os usuários vejam partes de algumas regiões do mundo.

Portanto, quem nunca viajou para os EUA pode sentir um pouco da magia da terra do Mickey sem sair de casa. Ao todo, são 11 parques temáticos da Walt Disney World, em Orlando, e também da Disneyland, na Califórnia. O anúncio foi feito na terça (6), no blog oficial do Google. Dessa forma, os usuários poderão visitar pela web parques temáticos de filmes como Avatar, Guardiões da Galáxia e, claro, o Magic Kingdom.

O Street View tem recebido, nos últimos anos, diversos mapas interessantes. O portfólio da ferramenta conta, surpreendentemente, com museus, estação espacial – e até cemitérios. Inegavelmente, a Disney é um dos destinos mais procurados do mundo. Além disso, também estão disponíveis alguns lugares da Disney na Costa Oeste, como o California Adventures.

Como as imagens são feitas

Para fazer essas imagens, o Google usa um carro com uma câmera 360º nas ruas. Entretanto, em locais fechados, a empresa usa um equipamento chamado Trekker. Esta ferramenta é uma mochila com uma câmera em forma de esfera que conta com cerca de 15 lentes. Eventualmente, como no caso da estação espacial, as imagens são feitas através de uma câmera DSLR comum e montadas posteriormente pela equipe do Street View.

Veja alguns mapas da Disney disponíveis no Street View:

Veja mais conteúdos produzidos pela Nexos Creative aqui.

Stories nas pesquisas do Google é uma possibilidade

Os stories, criados pelo Snapchat e implementado pelo Facebook em suas plataformas (Instagram, WhatsApp, Messenger e o próprio Facebook), estão longe de serem uma moda passageira. O formato conta com uma exibição em tela cheia, com fotos e vídeos que podem ser passados para os lados pelos usuários. Inegavelmente, este formato tem mudado a forma das pessoas consumirem conteúdo da internet. O Google resolveu embarcar nessa onde e acaba de anunciar mais uma novidade: um resultado de pesquisa neste formato. Dentro de seu projeto AMP (Accelerated Mobile Pages) as buscas feitas pelo usuário, terão seu conteúdo exibido em multimídia.

No dia 13 de fevereiro, durante a AMP Conf, que aconteceu em Amsterdã, na Holanda, a gigante das buscas anunciou uma parceria com veículos de comunicação. Veículos como CNN e Washington Post vão testar os Stories nos resultados de pesquisa.

A ferramenta ainda está em fase de testes e foi criada a fim de otimizar a navegação dos usuários.

A ferramenta, chamada de AMP Stories, está em fase de testes

A princípio, esses publishers vão poder produzir diversos conteúdos que serão mostrados nos resultados do Google em dispositivos móveis. Como resultado de vários estudos, a novidade conta com páginas de sites otimizados para um carregamento simplificado. Portanto, o carregamento é quase instantâneo quando acessadas pelo mobile. Dessa forma, podemos dizer que ele consome menos dados que as páginas tradicionais.

O projeto é uma iniciativa em código aberto de grandes editores de conteúdo e empresas de tecnologia. Ele foi criado a fim de melhorar todo o ecossistema de conteúdo para dispositivos móveis. Dessa forma, o Google AMP Stories vai aproveitar essa tecnologia para oferecer aos usuários uma experiência rápida.

No momento, o formato está separado dos resultados de busca convencionais. Para ver como as AMP Stories funcionam, vá até g.co/ampstories usando o celular e pesquise por publishers como CNN, Mic, SBNation, The Washington Post, Cosmopolitan, Wired, People e Mashable.

Veja mais conteúdo criado pela Nexos Creative aqui.

Instagram lança novo modelo de anúncios e promete otimizar os negócios via mobile

Novo formato permite que os consumidores visualizem vídeos e catálogos de produtos sem sair do Instagram

Se sua empresa possui um público jovem e com poder aquisitivo, essa novidade será motivo de comemoração. O Instagram lançou um novo modelo de anúncios que mescla vídeos e catálogos de produtos. Dessa forma, os consumidores podem concluir suas compras sem sair do aplicativo.

A empresa batizou essa nova funcionalidade de “Collection”. Ela foi criada a fim de aumentar ainda mais o foco do app no comércio eletrônico.

De acordo com a diretora de operações do Facebook, Sheryl Sandberg, “o Instagram é uma loja visual de negócios no smartphone, e cada vez mais gente procura empresas por lá”.

A novidade é focada nos perfis comerciais, um tipo de utilização que o Instagram enxerga como cada vez mais providencial para o crescimento e monetização da plataforma. O recurso foi liberado no Brasil após uma etapa de testes com duas lojas. Experimentos desse tipo também foram realizados em diversos países, que também recebem a nova função nesta terça.

A ideia do Instagram é fazer com que o perfil das marcas e lojas se transforme em uma espécie de vitrine virtual. A postagem de produtos pelas lojas já é comum na rede social. Agora, então, com o recurso, a localização dos artigos e o processo de compra se torna mais fácil. As publicações vão funcionar de forma semelhante ao da funcionalidade que permite a marcação de amigos nas fotografias.

Veja mais notícias produzidas pela gente aqui.

Relacionamento de sucesso: Atrair, Cativar e Manter

Quer aprender como criar um relacionamento de sucesso com o seu cliente? Confira na matéria abaixo:

Os 3 passos para uma Relacionamento de sucesso

Muitos já devem ter ouvido falar sobre CRM “Customer Relationship Management” (Gestão de Relacionamento com o Cliente). Esse termo refere-se a um software que permite que as empresas, de diversos portes, acompanhem todas as interações com seus clientes, antecipando suas necessidades e anseios, otimizando suas vendas, lucratividade e assertividade das campanhas de captação. Além disso, essa ferramenta possibilita usar as informações dos clientes para gerenciar cadastros, leads e oportunidades de vendas.

Mas um software eficaz não é o suficiente para manter esse relacionamento saudável e fidelizado. Sua empresa tem que aprender a identificar os diferentes tipos de clientes que possui para que possa atuar de forma eficaz e diferenciada com cada um deles.

Quem se identifica com a marca

Na era atual, ter seguidores, pessoas engajadas e curtindo tudo o que posta nas suas redes é muito comum. Elas se identificam com seu produto ou serviço e gostam das informações que você compartilha. Portanto, cuide desse público e mantenha-o sempre participativo, pois as chances desse relacionamento evoluir e atraí-lo cada vez à sua marca são muito grandes.

Os famosos Leads

São aqueles que curtem e comentam na sua página, cadastram seu e-mail e interagem com o canal. Isso é sinal de que as pessoas se identificam com você. O quer dizer que, você tem abertura para uma maior para se aproximar e, dessa forma, cativar esse potencial cliente, até porque, ninguém cadastra seu e-mail se não for para receber promoções e vantagens.

Clientes atuais

Pessoas que conhecem sua empresa, compraram e/ou comprarão novamente. Esse é seu público. Mas, apesar da situação parecer dominada e do cliente parecer conquistado, preste atenção! Nunca deixe de cuidar, principalmente, de quem já é seu cliente. O pós-compra é uma das partes mais importantes para mantê-lo fidelizado!

Veja mais conteúdo produzido pela Nexos Creative aqui.

O quanto é importante definir o público-alvo no seu negócio e o que isso significa dentro de uma estratégia

O que é público-alvo?

O público-alvo é um recorte demográfico, socioeconômico e comportamental de um grupo de pessoas. Essas informações possibilitam às empresas, determinarem o perfil de seus futuros consumidores, o que permite, elaborar uma comunicação eficiente e focada.

Mas, vale ressaltar a importância de se conhecer primeiramente, o seus próprios serviços e/ou produtos, e com quem eles devem conversar. Dessa forma não será difícil traçar um perfil, pois serão pessoas que se identificarão e interessarão pela sua marca.

Algumas das características utilizadas para se traçar esse perfil, são: Idade, sexo, profissão, interesses, classe social, localização, entre outros.

Primeiramente, ao começar a trabalhar na sua estratégia, é comum se perder de início, mas nada de pânico! Vamos guiá-lo em um tutorial básico de como dar seus primeiros passos.

Exemplificando:

Ao traçar o público-alvo de uma faculdade, quem eu devo atingir?

Principalmente alunos que estão concluindo o ensino médio e profissionais (jovens e seniores) em busca de especialização (Pós/MBA) ou segunda graduação, e profissionais em busca de especialização.

Traçando o perfil:
Idade: de 17 à 35 anos
Sexo: Ambos
Profissão e Interesses: ambos irão variar de acordo com os cursos oferecidos pela Instituição (Direito, Comunicação, Marketing, Odontologia, Contabilidade, etc)
Classe social: Classe B e C (também pode variar de acordo com o porte da Instituição)
Localização*: Rio de Janeiro, RJ – Cidade onde está localizada a faculdade
*Em caso de algumas lojas/restaurantes, o mais indicado é segmentar a localização por bairro, ou até mesmo área de atuação (perímetro em Km).

Veja mais conteúdo produzido pela Nexos Creative aqui.

Dicas para transformar seu negócio no Google Adwords em verdadeiro sucesso

Transforme seu negócio no Google Adwords em um verdadeiro sucesso

O primeiro passo é: tenha um objetivo bem definido para o crescimento da empresa. Primordialmente, deve-se saber quem é o seu público-alvo. Isso vai fazer com que sua margem de erro diminua e que sua campanha seja mais precisa. Não é novidade que a necessidade de estar no mercado digital faz diferença nos negócios e por isso, o Google Adwords tem crescido tanto nos últimos anos.

Mas, para ter o efeito esperado é preciso pensar bem na criação de sua campanha dentro da plataforma. Com as técnicas corretas é possível alavancar o volume de tráfego para o seu site e evitar gastos desnecessários.

Dando destaque ao anúncio

Ao construir seus anúncios, use o máximo de palavras-chave no título e corpo do textos. Já que os resultados de busca no Google são ranqueados de acordo com sua relevância. Portanto, ao utilizar as palavras corretas, suas chances de se destacar serão ampliadas e seu conteúdo se tornará mais atrativo para o cliente.

Faça um anúncio para cada coisa

Trabalhe com vários grupos de anúncio e em cada um destaque aquilo que deseja, construindo listas limitadas para cada ação, ao invés tentar fazer tudo em único anúncio. Organizando dessa forma sua relevância aumenta no sistema de pesquisa.

Acerte no alvo

A geolocalização pode influenciar significativamente no desempenho de sua campanha. Ela possibilita com que limite a área de atuação de seu do seu anuncio, aumentando consideravelmente suas chances de atingir seu consumidor final, evitando gasto de tempo e, principalmente, dinheiro com quem não é seu público-alvo.

Ex.: Um hortifrut que trabalha com entregas. Porém o estabelecimento só atende o seu bairro.

Neste caso, a forma mais precisa de trabalhar o anúncio é usando a ferramenta de delimitação por raio, pôs a campanha só rodará dentro do seu espaço de atendimento. Aumentando a chances de venda da empresa!

Monitoramento sempre

Depois de criar sua campanha não pense que o trabalho acabou, o monitoramento deve ser constante. O Google Adwords oferece diversas ferramentas que ajudam os usuários a aproveitarem ao máximo o potencial de suas campanhas, por isso, acompanhe-as diariamente e faça alguns testes para avaliar com qual terá o melhor desempenho.

Bem, essas são só algumas das estratégias que vão ajudar a sua campanha a crescer. O importante é ter um público-alvo bem definido e objetivos bem traçados, sempre acompanhados de monitoramento frequente.

Facebook lança Messenger Kids, um app de bate-papo para crianças

Nesta segunda-feira, o Facebook lançou o Messenger Kids, voltado para os pequenos. Essa nova versão de bate-papo permite com que os pais tenham acesso às conversas, trazendo, dessa forma, mais segurança para os usuários.

De acordo com o Facebook, essa plataforma é voltada apenas a crianças com menos de 13 anos e os pais terão controle sobre tudo o que elas podem ver.

O Messenger Kids permitirá ao responsável:

– Baixar o app no celular dos filhos;
– Configurar a conta usada no bate-papo;
– A criança não precisa inserir número de telefone ou conta no Facebook para acessar;
– É o responsável que decide se aprova ou não qualquer novo contato;
– Ele também escolhe se a criança pode ter conversas em vídeo ou enviar fotos e vídeos.

Outro fato bem interessante é que apesar da restrição de pessoas liberadas pelos os pais, o sistema automático de detecção as impede de enviar imagens em situações íntimas ou violentas.

Por enquanto essa novidade está sendo distribuída nos Estados Unidos via iOS e futuramente neste mês aos aparelhos Android. Ainda não se sabe quando chegará ao Brasil.

Leia as outras notícias do nosso blog aqui.

Conheça as 7 principais mudanças e tendências do mercado digital

O mercado digital ocupa um papel central na evolução constante da Transformação Digital.

Como as tendências desse movimento não param de surgir, é natural também que algumas delas estejam envolvidas diretamente em afetar a maneira como se compra e vende pela web. Veja a seguir uma lista de 7 mudanças e tendências trazidas pela evolução do mercado digital e qual o impacto que elas podem ter na sua empresa:

1. Web Analytics

O ambiente virtual é bastante concorrido, portanto, cada esforço feito precisa ser medido e otimizado. Dessa forma, evita-se desperdícios e aumenta-se as vendas.

Por isso, a análise de métricas e indicadores de desempenho, ou KPIs, é fundamental para o mercado digital.

Aprender com especialistas e fazer cursos na área são boas formas de dominar o assunto. Então, não deixe passar e perder boas oportunidades por falta de conhecimento na hora de analisar métricas importantes.

2. Internet móvel

Pode soar estranho porque já é muito comum para a maioria de nós! Mas a internet móvel é um dos motores que impulsionam o mercado digital.

Sem a melhora na qualidade de conexão móvel, o acesso mais amplo a planos de internet e aparelhos de melhor qualidade no mercado, dificilmente teríamos um ecossistema digital tão vivo e cheio de transações ocorrendo a cada minuto.

3. Economia compartilhada

A economia compartilhada é outro modelo de negócios que surgiu com o uso mais amplo da internet.

As pessoas se deram conta de que compartilhar bens, serviços e experiências muitas vezes sai mais bem mais barato. Além disso, é mais interessante do que comprar algo sozinho.

Na era social, onde tudo é feito para ser exposto, o mercado digital encontrou um nicho lucrativo e que explora o desejo das pessoas de se sentirem parte de algo maior.

4. Inteligência artificial

A inteligência artificial certamente contribui para sistemas cada vez mais sofisticados em instituições de todo tipo.

Seja para realizar tarefas importantes, como operações administrativas, ou lançar campanhas de marketing melhores, a inteligência artificial tem papel de destaque no mercado digital.

A tendência é que esse papel aumente consideravelmente nos próximos anos, à medida que as soluções de IA avançam e se tornam mais populares.

5. Realidade virtual

A realidade virtual ainda é uma área em evolução, mas tem tudo para transformar completamente a forma como as pessoas compram e vendem. Isso deve impactar – e muito! – o mercado digital.

Gigantes, como Google e Apple já apostam na realidade virtual, e com bons motivos: a ideia da imersão completa em universos antes vistos apenas à distância, por meio de TVs e telas de cinema, é muito interessante do ponto de vista dos negócios.

6. Internet das coisas

A internet das coisas é outra das promessas para o futuro próximo que já têm mostrado grande potencial.

A pulseira usada nos parques da Disney em Orlando, EUA, é prova de que a conexão de aparelhos vestíveis (apenas uma das infinitas possibilidades dessa tecnologia) podem ser usados para integrar experiências de consumo digital e físico de forma quase perfeita.

7. Bitcoin e outras criptomoedas

O Bitcoin faz parte das chamadas criptomoedas, e veio para remodelar o uso da internet como canal comercial.

Conforme suspeitas iniciais geradas pelo uso da moeda no mercado negro, já existem muitas pessoas investindo tempo e dinheiro na exploração dessa nova forma de realizar pagamentos.

O conceito do Bitcoin pode ser explorado até na produção de conteúdo de forma segura. E tende a ser cada vez mais utilizado como forma de validar transações que exigem um nível superior de proteção à fraude.

A Nexos está sempre atualizada, buscando tudo o que há de mais novo no universo do Marketing digital! Por isso que trabalhamos com foco no seu crescimento, abordando todas a fontes e ferramentas para o seu sucesso.