Novas adaptações do marketing digital em 2019

Com o avanço da tecnologia, as estratégias digitais mudam muito rápido. Portanto, é muito bom estar atento às tendências para ficar sempre a frente do mercado. E isso não é diferente no caso do marketing digital.

Continue lendo nosso artigo para ficar por dentro das tendências do marketing digital em 2019.

Humanização das marcas

Os consumidores estão interagindo cada vez mais com as marcas nas redes sociais. Eles opinam sobre os produtos e compartilham suas experiências com a empresa. Além disso, os clientes pesquisam e procuram indicações de pessoas que já tenham consumido na loja. É por isso que as marcas precisam criar ações de engajamento e se preocupar com o que está sendo comentado sobre ela.

Influencers

Sabemos que as parcerias com influenciadores vem crescendo desde 2018 e, por isso, diversas marcas adotaram essa estratégia. Principalmente as que atuam em mercados de nicho. De acordo com a agência norte-americana da MediaKix, o mercado de influenciadores no Instagram movimentou mais de U$ 1 bilhão em 2018 e estimativa de aumento significativo em 2019.

É importante ressaltar que não se deve levar em consideração exclusivamente o alcance do influenciador. Ou seja, seu número de seguidores e curtidas. Mas também sua relevância no mercado que a empresa está inserida. Por isso, é necessário selecionar influenciadores que mais se encaixam ao negócio a ser anunciado.

Vídeos

Cada vez mais o brand content ganha espaço nas mídias digitais e sendo um conteúdo atraente e informativo acaba sendo impulsionado pelos próprios consumidores. Com a diversidade de plataformas e novas formas de receber informações, os vídeos precisam despertar a curiosidade, e o primordial: ser informativo.

Um conteúdo de marca bem idealizado e produzido ganha distribuição gratuita em diversas novas mídias por meio do interesse do consumidor por aquele tema.

Inteligência competitiva

Analisar dados é ponto vital para desenhar estratégias e ações de crescimento para as empresas. A inteligência competitiva te coloca à frente dos concorrentes. Utilizar dados de concorrência é fundamental para analisar os pontos que sua empresa precisa melhorar e até criar novas oportunidades de mídia. Além disso, baseia suas campanhas em fatos reais e não em incertezas.

Automação de Marketing

A tecnologia na área de marketing digital está sendo cada vez mais usada com o objetivo de otimizar processos, melhorar os resultados e o engajamento dos consumidores com as marcas. Entretanto, é importante oferecer experiências exclusivas aos consumidores. Além de criar um bom relacionamento entre eles e permitir que ele se torne fiel aquela marca.

Dessa forma, a automação de marketing sempre será uma grande aliada à sua estratégia. Já estamos inseridos nessa realidade tem tanto tempo que nem percebemos quando estamos sendo influenciados por algum processo que é automatizado. Atualmente, quase todo o processo de compras é automático. Ou seja, somos levados até a compra acreditando que todas as escolhas foram realizadas por nós mesmos. O melhor da automação é dar escala a processos que antes seriam custosamente desenvolvidos por diversas pessoas.

Tenha um bom planejamento de mídias sociais e alcance resultados incríveis

Com o crescimento do marketing digital, as empresas estão se preocupando cada vez mais em ter presença na web. Atualmente, cerca de 70% das companhias brasileiras possuem conta ou perfil em alguma rede social. Mas isso não significa que sua estratégia de marketing será bem sucedida! É claro que não dá para ficar longe desses canais. Inclusive, para não dar espaço para a concorrência, não é mesmo? Dessa forma, é necessário ter um planejamento de mídias sociais bem estruturado.

O planejamento é a fase na qual serão definidos os objetivos, estratégias de divulgação, cronograma de início e conclusão das ações, por exemplo. É nesse momento que sua equipe de mídia vai selecionar os canais mais eficientes para que a sua comunicação seja bem feita.

Neste artigo, nós listamos alguns motivos para você valorizar o papel do planejamento da estratégia de marketing digital. Continue lendo para saber mais!

Prazos

O tempo é um fator crucial no seu plano de comunicação. Ou seja, é necessário definir momentos e datas para medir os resultados conquistados em cada canal utilizado. É preciso, também, estipular a frequência das postagens e promoções de conteúdos. Uma situação muito comum nas redes sociais de muitas empresas é a falta de publicações periódicas. Dessa forma, o seguidor acaba sendo impactado diversas vezes com o seu mesmo post, causado frustração por ver o mesmo conteúdo repetidas vezes. Em casos mais comuns, por exemplo, sua marca entra no esquecimento, pois sem nenhum conteúdo compartilhado, ela não é vista. Ou seja, é muito importante ter um planejamento de conteúdo, no qual será definido a quantidade de postagens e, dessa forma, lembrar aos seguidores que a sua marca está ali.

Maior versatilidade

Um planejamento de mídias sociais deve ser versátil. Ou seja, ele deve se adaptar às atualizações do mercado, à linguagem do público-alvo e à identidade da empresa. Em outras palavras, ele:

– impede que o negócio chegue atrasado nas tendências da web. // Sabe quando um meme já está saturado e aparece aquela marca postando como se fosse algo novo? Então, não seja essa marca! 🙂 ;

– evita a postagem de conteúdos que envergonham até os seus funcionários;

– gera identificação com as pessoas por meio de expressões, temas do seu dia a dia e formas criativas de divulgar a empresa.

Conteúdo é rei

Conforme mencionado no começo deste artigo, atualmente cerca de 70% das empresas têm conta ou perfil em redes sociais. Dessas, 73% usam esse meio para responder aos comentários e dúvidas dos seus clientes. 77% também postam informações sobre produtos e serviços. Esses dados são do TIC Empresas 2017, pesquisa disponibilizada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), por meio da Cetip.br, do NIC.br (Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR).

Entretanto, apenas estar nas redes sociais não é garantia de bons resultados. Muita gente segue páginas de empresas esperando receber dicas sobre a área de atuação, mas só vê anúncios na timeline. E isso gera muita frustração. Nesses casos, a solução é simples: diversifique! Entenda quais conteúdos agradam o público. Ao divulgar um canal de TV a cabo no Facebook, por exemplo, em vez de só postar ofertas de pacotes. Que tal publicar curiosidades legais sobre programas, filmes e outros atrativos da grade? Eles com certeza vão apresentar um engajamento maior do que uma simples propaganda com preços e valores.

Dessa forma, em vez de ser bloqueado pelos seguidores que não aguentam mais a sua autopromoção, sua empresa vai virar referência no seu segmento. Outro problema causado pela falta de planejamento é a punição algoritmos das redes sociais e perder alcance orgânico. Como você não está engajando a audiência (e tendo saída de seguidores, por exemplo), as redes entendem que o seu conteúdo não é relevante. Dessa forma, eles “punem” seu alcance.

Produção de conteúdo estratégico é rainha

É no planejamento de mídias sociais que você vai indicar quais tipos de conteúdo serão produzidos. Lembrando que eles devem estar alinhados à identidade da marca ao mesmo tempo que são relevantes para o seu público. Isso envolve muito mais que apenas o texto! O formato, tom de voz, termos positivos e negativos, entre outros elementos que compõem os materiais de comunicação, por exemplo, são muito importantes. Você também vai definir os objetivos que a empresa quer alcançar com a atuação nas mídias sociais.

Aliás, uma curiosidade: de acordo com o relatório Content Trends 2018,  da Rock Content, 73% das empresas do país investem em marketing de conteúdo. Então, seu planejamento de redes sociais precisa levar essa estratégia em consideração, para você aproveitar essa estratégia ao máximo!

Mensuração de resultados

Na hora de estabelecer todos os pontos desse trabalho nas mídias sociais, não se esqueça de definir algumas métricas de marketing digital para medir seus resultados. Assim, você não fica no escuro, sem saber se suas ações estão funcionando ou não. As próprias redes costumam oferecer várias ferramentas legais de medição de desempenho dos seus posts. Como, por exemplo, alcance orgânico, alcance pago, número de novas curtidas ou novos fãs em determinado tempo, entre outras informações. Mas fica aqui a dica: fuja das métricas de vaidade!

Aquela sensação boa quando uma postagem tem milhares de likes pode murchar rapidinho quando você vê que a publicação não gerou uma venda sequer. Por outro lado, um post que quase ficou esquecido no canto da página e só levou 20 curtidas pode ter influenciado 10 vendas. Quem foi mais efetivo? Para quem quer vender mais, a resposta é óbvia. Conseguir um grande número de curtidas sem resultado prático, ou seja, sem conversões, pode ser uma métrica de vaidade. O mesmo vale para views em vídeos, é claro. Já a quantidade de cliques em anúncios, o número de cadastros, o percentual de contatos obtidos com uma ação, entre outros, costumam ser indicadores de resultados reais.

É claro que isso varia, porque se a sua intenção é ampliar o Share of Voice (SOV) da sua marca ou a influência da empresa entre os fãs, o número de curtidas faz parte do seu objetivo, tornando-se um indicador positivo.

Já deve ter ficado claro como é importante fazer um bom planejamento de mídias sociais para alcançar resultados de sucesso nas redes, certo? Mas isso só é possível se a sua equipe realmente acompanhar, atualizar e executar as ações definidas nesse plano. Então, não deixe esse documento na gaveta e coloque tudo em prática!

Entre em contato com a Nexos! Somos especialistas em marketing digital. Que tal marcar um café?

5 estratégias para fortalecer a sua marca

Qual é a primeira marca que vem na sua cabeça quando falamos de tecnologia? Com certeza você pensou na Apple, Google ou Microsoft, não é mesmo? Isso acontece pois elas são companhias gigantescas, mas além disso, porque trabalham o fortalecimento de marca, através do branding, que significa “gestão de marca”.  Assim sendo, elas conseguem ocupar um lugar de destaque na mente das pessoas e são ligadas a ótimos conceitos, como: qualidade, confiança, bom serviço etc.

Por terem um bom trabalho de branding, essas empresas obtêm vantagens no mercado. Por exemplo, elas podem praticar preços maiores com uma certa tranquilidade. Além disso, podem beneficiar-se de um marketing boca a boca e ter a preferência do consumidor no lugar de concorrentes.

Já imaginou conquistar isso no seu negócio? Acredite, é possível – porém não fácil!. Basta aplicar estratégias de fortalecimento de marca. Pensando nisso, separamos 5 das principais a seguir. Confira!

1. Tenha um diferencial

Ter um diferencial é muito importante para reforçar sua marca junto ao público. Isso pode estar atrelado a um tipo de serviço prestado, um extra em seu produto ou serviço ou até mesmo uma maneira de atender, por exemplo. Além disso, uma boa solução para obter um diferencial, é investir em marketing de experiência. Essa estratégia gira em torno de utilizar elementos-chave a fim de proporcionar momentos únicos para os clientes. Dessa forma, também dá para montar ações que estimulem positivamente os sentidos deles. Algumas marcas atualmente já tem feito suas próprias fragrâncias, por exemplo. Isso faz com que sejam associadas a ela e tornem o ambiente agradável. Além disso, algumas marcas oferecem lanchinhos durante o atendimento.

No primeiro caso, temos um maior trabalho no olfato do consumidor, enquanto no segundo, está presente o paladar. Esses reforços aos sentidos costumam melhorar a sensação de bem-estar no local, contribuindo para que os clientes tenham uma experiência agradável em seu negócio.

Para saber se isso é eficiente ou não, tente se lembrar: quando foi a última vez em que se sentiu tão bem em uma empresa? Consegue listar quais elementos proporcionaram esse efeito? Provavelmente, havia alguns itens “extras” ligados aos sentidos e à promoção de uma boa experiência no local.

2. Desenvolva uma (boa!) identidade visual

Uma identidade visual faz toda a diferença na hora de reforçar a marca na mente do consumidor. Para isso, é preciso investir em um bom logo e em cores que estejam condizentes com os valores e o segmento da empresa, por exemplo. Além disso, a identidade visual deve estar alinhada com a imagem que a organização deseja passar. Dessa forma, é importante pesquisar bem o seu público, a fim de entender como ele vê o seu negócio. Faça sempre perguntas ao seu cliente! Ele é a melhor fonte para colher dados sobre assuntos pertinentes ao seu negócio.

3. Conheça seu público e defina suas personas

Uma maneira de fortalecer sua marca é gerando identificação com ela. Para isso, é fundamental identificar o seu público-alvo e definir as personas do seu negócio. Ou seja, os consumidores ideais que você deseja atender. Mas você não precisa se contentar só com uma, pois dá para traçar dois ou mais perfis ideais para a sua empresa buscar atender.

Nesse caso, mapeie gostos e preferências, hábitos de consumo, itens visuais que geram maior apelo para eles etc. Dessa maneira, ficará mais fácil saber que elementos agregar à sua marca para fortalecê-la na mente deles e, assim, atraí-los para sua empresa.

4. Estabeleça um tom de voz e uma personalidade para a marca

Definir o tom de voz e a personalidade da marca é um ponto importante para que ela seja lembrada mais facilmente pelo seu público-alvo. Dessa forma, você vai conseguir favorecer o marketing de relacionamento do seu negócio. Isso envolve, por exemplo, os termos usados pela empresa em campanhas, posts, etc. e a maneira com que seus colaboradores se dirigem aos clientes.

Nas redes sociais, temos alguns exemplos disso, especialmente no Twitter e no Facebook. É comum que marcas que querem ser tidas como descoladas participem de brincadeiras, façam referências a memes e até respondam, de forma humorada, internautas em comentários. Algumas, inclusive, até aproveitam para lidar com a concorrência de forma descontraída.

5. Tenha ou apoie uma causa

Apoiar uma causa social, ambiental, cultural, entre outras é uma excelente oportunidade de tornar sua marca relevante. Além de agregar maior seriedade, pode atrair mais facilmente pessoas que se identificam com essa causa, tornando-as clientes engajados.

Nesse caso, você ainda poderá maximizar seus investimentos em marketing, uma vez que os próprios consumidores passarão a recomendar o seu negócio para outras pessoas ligadas à causa apoiada. Além de ganhar maior respeito e de contribuir de algum modo para o meio que o cerca, você ainda economiza. Uma estratégia e tanto, não acha?

Reposicionamento de marca: por quê?

Não há dúvidas que posicionar uma marca no mercado é um grande desafio. Este processo é composto por muitas questões e muito trabalho. Entretanto, pode ser que um dia o seu negócio necessite de um reposicionamento de marca. Certamente, depois de todo o esforço, você vai se pegar pensando “por que tenho que fazer isso?”. E nós vamos te explicar!

Você concorda que com o tempo as coisas mudam? Então, com o passar dos anos, as pessoas tem seus conceitos transformados, a moda se modifica, as ideias mudam e até mesmo os costumes e hábitos podem sofrer variações. Por isso, é preciso que o seu negócio se adapte às mudanças da sociedade e do seu público-alvo. É nessa necessidade de adaptação que mostra a hora do reposicionamento de marca.

Muitas vezes os empresários começam a perceber que é hora de mudar o posicionamento quando os resultados de seus negócios já estão apresentando perda de desempenho. Ou seja, o negócio já não está mais agradando o consumidor da mesma forma.

Você está sentindo essa necessidade? Então continue lendo esse artigo para entender como funciona o processo de reposicionamento de marca!

O que é um reposicionamento de marca?

Precisamos entender, antes de tudo, o que significa exatamente o reposicionamento de marca. Em síntese, podemos dizer que é quando mudamos a imagem que queremos transmitir para os nossos consumidores. Entretanto, é muito importante lembrar que apesar da nova adaptação, a essência do Business é a mesma.

Quando você começou a traçar os primeiros passos da sua empresa, foi necessária a definição do público-alvo, serviços e benefícios que seriam ofertados para os clientes, correto? Se reposicionar significa rever tudo isso e compreender como pensam os seus clientes e onde você quer chegar.

Quando o reposicionamento se faz necessário?

Com o passar do tempo tudo muda, inclusive o entendimento das necessidades e a percepção de valor. Dessa maneira, quando você começa a perceber que seus clientes estão mudando e isso está afetando seu relacionamento com eles, é hora de pensar em mudar também!

Quer uma ajuda para identificar alguns fatores que podem influenciar essa decisão? Presta atenção na lista de indicadores abaixo:

Internos

Alteração de segmentação de mercado;
Entrada em novos mercados;
Fusão ou aquisição;
Mudança da proposta de valor;
Mudança de estratégia

Externos

Alteração no comportamento do consumidor;
Crises;
Identificação de oportunidades;
Novas prioridades no mercado;
Mudança de demanda;
Surgimento de outros concorrentes

E por onde eu começo?

Antes de mais nada, ao pensar na mudança, deve ser realizada uma apuração sobre o seu público-alvo. Deve-se identificar quem é ele, como se comporta, do que gosta e quais são seus hábitos de consumo. Dessa forma, com o resultado desses e de outros questionamentos, você consegue montar a sua(s) persona(s). Com ela(s) em mãos, você pode passar para o próximo passo!

É hora de entender o mercado. Você tem que identificar seus concorrentes, seus pontos fortes e fracos, além das oportunidades e ameaças. Para esta etapa, uma dica tradicional e ao mesmo tempo eficaz, é a elaboração de uma matriz SWOT.

Com esses detalhes em evidência, você vai conseguir um esboço de como deseja se posicionar. Dessa forma, poderá começar a montar o seu planejamento de como chegar na execução do seu negócio! Agora, como você vai transmitir essa mudança é um ponto importante a ser levado em consideração. Isso depende muito da estratégia que será adotada. Sua comunicação deve estar muito bem alinhada, pois você pode ter certeza que não existe nada pior do que uma campanha que não impacta positivamente o público nesse momento de mudança. Há perda de dinheiro, tempo e pode haver, também, perda de credibilidade no mercado. Por este motivo, é muito importante contar com uma equipe profissional e qualificada.

Dicas para você não errar na hora de se posicionar

Análise de mercado

Entender como está o mercado é um passo crucial, tanto para quem deseja se manter nele quanto para quem visa realizar algum tipo de mudança em sua empresa. Em especial um reposicionamento. É preciso saber onde se está pisando e onde se quer chegar. Este é o momento de fazer isso para saber se vale realmente a pena entrar nessa empreitada!

Por isso, não deixe nada de fora:

– Como o seu negócio chegou até aqui?
– Quais são seus pontos fortes?
– Você conhece os seus pontos fracos?
– O que os seu concorrentes estão fazendo?
– Como está o seu mercado? Existem crises?
– Quais são os perigos externos para sua empresa?
– Que oportunidades podem surgir?
– Por que o seu posicionamento anterior (ou atual) não é mais funcional?
– Por que é preciso mudar de posicionamento?
– Como você pretende se posicionar?

Quem é o seu público?

Já que você sabe que é hora de mudar para acompanhar o ritmo do seu consumidor, uma das ações que você deve tomar é conhecê-lo melhor:

– Quem é esse consumidor?
– O que ele faz?
– Como ele consome?
– Quais são seus desejos?
– Que expectativas ele tem?
– Onde ele está?
– Do que ele gosta?
– Quais são seus anseios?
– Como ele fala?
– Que tipo de música ele houve?
– Quais são seus hobbies?
– Por onde ele circula?

Uma ótima maneira para entender o perfil do seu consumidor é fazendo uma pesquisa e montando uma persona.

Planeje – e muito!

Nenhum resultado é conquistado sem o devido esforço. Por isso o segredo de todo case bem sucedido é o planejamento e a mão na massa. Portanto, planeje muito! Parar para analisar e desenhar cada passo é muito importante. Não encare isso como perda de tempo! É um investimento que você está fazendo.

Se o seu fornecedor de confiança disse que a implementação do processo vai demorar 60 ou 90 dias não se assuste! Sua marca não chegou aonde está do dia para a noite, não é mesmo? E para ela ir para onde você deseja, é necessário muita pesquisa e trabalho. Além disso, é importante entender que alguns resultados só vêm a longo prazo. Por isso, crie metas de curto, médio e longo prazo.

Anuncie a novidade

Quando a gente termina algo que gosta muito é hora de contar para todo mundo, certo? Então, com a ajuda da sua agência de comunicação, é hora de anunciar a novidade! Não esqueça que nessa hora não é o momento de medir esforços. Então invista mesmo!

Mão na massa!

Já está decidido? Então é hora de colocar o planejamento em prática! Não esqueça que é muito importante construir uma identidade visual sólida, que reflita tudo o que você quer passar para o público! Além disso, suas boas novas devem estar alinhadas também ao que o seu público espera. Para que isso tudo dê certo, é necessário contar com uma equipe de especialistas no assunto! Lembre-se, especialmente nessa hora, que o barato pode sair muito caro!

O que é uma persona?

Toda agência de comunicação já se questionou em qual é o público-alvo do seu cliente, não é mesmo? Definir esse ponto é fundamental tanto para o desenvolvimento de produtos / serviços, quanto para a produção de conteúdo que vai atingir novos clientes. Para produzir material para o blog e para as redes sociais da empresa, as agências utilizam um recurso que facilita o direcionamento de temas: a persona.

A persona pode ser definida como o cliente típico, com as principais características dos compradores. Montar uma persona – ou até mesmo várias – pode ser mais fácil quando você encontrar as perguntas certas. Depois, basta utilizar essas informações de forma produtiva para que toda ação e tomada de decisão sejam direcionadas àquele perfil.

Quer entender mais sobre este tema? Então continua lendo que nós vamos explicar.

O que é uma persona?

A persona é a representação do seu cliente ideal. Sua criação é pautada em dados comportamentais e características demográficas dos clientes. Além disso, sua criação conta com histórias pessoais, motivações, objetivos, desafios e, até mesmo preocupações. A base de clientes que a empresa possui é uma ótima fonte para começar as investigações, por exemplo. Dessa forma, em uma rápida análise, você, como agência, vai conseguir identificar características de potenciais compradores.

Uma dica muito válida é prestar atenção tanto nos clientes satisfeitos quanto insatisfeitos. Nos dois casos, você certamente aprenderá algo sobre a percepção do seu produto e quais os desafios seus clientes estão enfrentando.

A diferença entre entre persona e público-alvo

Muitas pessoas confundem os conceitos entre persona e público-alvo. Mas é importante ressaltar que persona e público-alvo são coisas diferentes. Vamos exemplificar:

Público-alvo: Homens e mulheres, de 24 a 30 anos, solteiros, graduados em administração, com renda média mensal de R$ 3,5 mil. Pretendem aumentar sua capacitação profissional e gostam de viagens.

Persona: Clara Guimarães tem 26 anos, é recém-formada em administração. Pensa em se desenvolver profissionalmente através de uma especialização no exterior, pois adora viajar e conhecer novas culturas. É solteira e sempre quis fazer um intercâmbio. Está em busca de uma agência que o ajude a encontrar universidades na Europa que aceitem alunos estrangeiros.

Qual é o objetivo de criar uma persona?

A criação de personas é um passo fundamental dentro de uma estratégia de Marketing Digital. Elas são criadas para enviar a mensagem certa, com o tom certo, para as pessoas certas e, dessa forma, termos maiores chances de sucesso.

Sem uma persona definida, é possível que em alguns casos sua estratégia se perca. Sem esta ferramenta, pode ser que acabe provocando um ruído na comunicação da sua campanha, promovendo, por exemplo, cortes de carnes para quem é vegetariano. Ou oferecendo um produto destinado à classe A para a classe D. Exemplos não faltam!

Depois de entender o que é persona, quais suas vantagens para seu negócio e de levantar algumas informações. Você vai precisar se orientar pelo perfil de seu cliente típico. Ou seja, deverá ser guiado pela maioria para responder a algumas questões que vão ajudar a definir o perfil comportamental de sua persona:

  • Quem é o seu potencial cliente? (características físicas e psicológicas do responsável pela compra)
  • Que tipo de assunto interessaria a ele sobre o seu setor?
  • Quais são as atividades mais comuns que ele realiza (tanto pessoal quanto profissionalmente)?
  • Qual seu nível de instrução? Quais seus desafios e obstáculos?
  • Que tipo de informações ele consome e em quais veículos?
  • Quais são seus objetivos, suas dificuldades e desafios?
  • No caso de produtos B2B, qual é o tipo de empresa que compra a sua solução? E qual o cargo de quem compra?
  • Quem influencia suas decisões?

Resumindo: você precisa ter em mente o que a pessoa responsável pela compra de seu produto ou serviço busca na área de atuação de sua empresa. Pense nos assuntos em que ela pode estar interessada, como os problemas relacionados ao seu setor que ela enfrenta.

Uma vez encerrado esse processo, você terá uma boa quantidade de dados brutos sobre os potenciais consumidores.

Cinco erros recorrentes nas agências de comunicação

Quem nunca cometeu um, ou até mesmo alguns, erros dessa lista, que atire a primeira pedra! Mas é sempre melhor aprender com os erros do que permanecer no status quo, não é mesmo? A vida do profissional de comunicação não é um mar de flores, mas isso você já deve saber. O caminho nem sempre é o mais fácil e, as vezes, a gente acaba fazendo algumas coisas que não queremos. Ou até mesmo deixamos de fazer algo para manter o cliente. Vamos listar abaixo cinco erros que diversos profissionais cometem – ou já cometeram.

Esperamos que sirvam de exemplo e ajudem bastante 😀

Preço abaixo do mercado

Muitos de nós já fizeram isso alguma vez na vida, alguns ainda fazem. Dinheiro pode ser um assunto complicado a discutir, isso todos nós sabemos. Entretanto, você deve ter cuidado na hora de cobrar. Foram anos de estudo, prática e acumulo de conhecimentos. Você investiu seu tempo para se aperfeiçoar, portanto, tem todo o direito de cobrar um valor justo pelo seu trabalho. Se o cliente questionar seu preço, mostre a ele que seu trabalho vale cada centavo.

Se deixar ser monopolizado

Pagando bem ou não, nenhum cliente tem o direito de monopolizar o seu tempo – muito menos o da sua agência. Quando um cliente toma todo o seu tempo ele se torna seu chefe, e não um cliente. Permitir que ele dite suas horas pode ser o pior erro a cometer! Ainda mais depois que o prazo do contrato acaba. O ideal é conversar com seu cliente como funciona seu método de trabalho, quais horas você e sua equipe trabalham por dia, e quais dias da semana você vai estar disponível. Trabalha durante 4 horas pela tarde? Avise-o. Não trabalha de fim de semana? Avise-o. O respeito entre ambos deve existir sempre. Deixe isso bem claro, sempre.

Falhar na hora de vender

A próxima pior parte para a maioria das pessoas é “vender o próprio peixe”. Ou seja, saber vender a si mesmo e seus serviços. O cliente vai te pedir ajuda, entretanto, muitas vezes, ele nem sabe o que realmente quer ou precisa. Se você estiver disposto a ajudá-lo, responda oferecendo seus serviços de modo que ele se sinta acolhido. Tente entender sobre ele e suas necessidades, e tire o máximo disso.
O segredo é: ouvir mais do que falar.
Faça uma boa pesquisa sobre sua empresa ou produto, em todos os aspectos que achar necessário.

Sempre dizer ‘sim’

O medo pode levar-nos a fazer muitas coisas estúpidas. A maioria demora muito antes de começar a recusar pedidos, talvez pela instável vida financeira e pelas cobranças que chegam todo mês. Você tem que lembrar que um mau negócio, ou mau cliente, pode te prejudicar muito mais que perder um job. Esteja preparado para não concordar com tudo que vem pra você. E você também pode ser agradável e amigável mesmo sem concordar o tempo todo.

Dar muitas informações

Clientes não tem idéia do que as agências fazem. Se o cliente quer um website, ele contrata alguém, e tudo que ele se importa é carregar a página e ver seu lindo website online exatamente do jeito que queria.
Mas alguns cometem o erro de descrever cada passo do job, o plano detalhado da criação, cada idéia ou sketch, antes mesmo do contrato. Tome cuidado! Pois ele pode pegar todas essas informações, ideias e fechar com alguém que cobre menos. E infelizmente isso não é incomum. Se você ensinar seu cliente como criar um website, você estará se auto-sabotando.
Então não exponha todas suas idéias, não o-ensine a fazer o seu trabalho. Quando estiver conversando com seu cliente, seja honesto e responda suas perguntas, mas saiba a hora de parar, mesmo se for um cliente em potencial.

Espero que essas dicas te ajudem!

E-mail marketing: importante ferramenta na sua estratégia digital

O e-mail marketing é uma ferramenta poderosa, que tem bastante potencial de aproximar sua empresa de seus clientes

e-mail marketing é, atualmente, o meio mais eficaz de construir e desenvolver uma audiência engajada com seu negócio ou marca. Ele permite um contato direto e a longo prazo com seus prospects, leads e clientes. Além disso, você pode trabalhar em qualquer etapa do funil e ter resultados sem muita complexidade. Mas é claro que uma boa estratégia se faz necessária. Uma vez que você consegue o email de alguém interessado, basta trabalhar os conteúdos no tempo certo e terá resultados.

É a partir da combinação de uma estratégia de marketing de conteúdo com um funil de vendas bem desenhado e essa magnífica ferramenta vamos converter leads em suas respectivas etapas.

Que entender como? Continue a leitura:

Antes de tudo: o que é Marketing de Conteúdo?

Marketing de Conteúdo pode ser entendido como uma forma de engajar com seu público-alvo e atraí-los ainda mais por meio de conteúdos relevantes. Dessa forma, gera-se valor e uma visão positiva da sua marca. Quando este processo ocorre, cria-se a oportunidade de gerar mais negócios. A estratégia de conteúdo envolve diversos meios, como as redes sociais, blogs, vlogs ou o email marketing, por exemplo.

Os meios em que você vai atuar vão depender da sua persona. Afinal, é a partir da compreensão de seu comportamento que você vai entender como ela se comporta na web e os meios mais acessados e em que ela irá interagir com você.

Como o email marketing se encaixa em uma estratégia de conteúdo?

Depois que o visitante entrou no seu blog e fez uma assinatura, por exemplo, o email marketing se torna o seu principal meio de contato com o lead. Para mantê-lo engajado e criar um melhor relacionamento, é fundamental continuar seu fluxo de nutrição com conteúdos relevantes baseados em suas interações. Dessa forma, você fará com que o lead retorne ao blog mais vezes e veja os conteúdos sugeridos e outros mais.

Nessa hora é importante prestar atenção às call to action e trabalhar a segmentação quando necessária, seja ela por região, aspectos demográficos ou até mesmo por tipo de serviço.

Vantagens do e-mail Marketing

De acordo com a pesquisa E-mail Marketing Trends, 77,2% das empresas utilizam e-mail diariamente e 96,2% acreditam na eficácia do uso de uma estratégia de e-mail marketing.

Esses números podem ser compreendidos quando levamos em conta as várias vantagens do email marketing, como:

– velocidade;
– disponibiliza métricas de abertura, clique e de erros;
– não interrompe o usuário;
– baixo custo;
– passivo de segmentação e personalização.

O seu alcance depende do tamanho da sua base de leads e assinantes. Além disso, é importante ressaltar que comprar mailings não são um bom investimento. O índice de rejeição nesses casos é muito alto.

Criando uma base de leads engajada

Lembrando que nenhum e-mail deve ser cadastrado avulsamente e todos os emails devem ser assinados conscientemente pelos próprios usuários. Pensando nisso, lista de emails não devem ser adquiridas via outros meios já que o usuário não permitiu tal ação. Outro elemento importante é: sempre que enviar um email marketing, disponibilize a função de remoção do email da lista.

Esta ação ajuda a limpar sua base de usuários não-engajados e evita sua classificação como spam. Este tipo de classificação prejudica – e muito! – seu domínio e email. Além de se ter uma base de interessados em seu serviço ou produto, o uso de email propicia uma série de análises que podem ser consultadas em tempo real, como:

– total de enviados ou entregabilidade;
– taxa de abertura;
– CTR ou taxa  de cliques;
– números de pessoas que pediram a remoção quando é o caso;
– engajamento.

Com tudo isso, é possível calcular o ROI de toda estratégia e verificar se está atingindo o objetivo ou não, tornando uma ferramenta poderosa para o dia a dia.

Ferramenta poderosa e excelente estratégia

Após entender um pouco mais sobre o assunto, podemos entrar no assunto: automação de marketing. Muito mais do que emails automatizados, eles podem ser trabalhados de maneira bem estratégica para enviar o conteúdo certo na hora certa.  Para isso, alie a estratégia de conteúdo e alimente seus assinantes com informações úteis em todas as etapas. Dessa forma, você vai aumentar o engajamento, abertura e CTR, o que possibilita que o contato continue com novos emails sobre conteúdos relacionados com aqueles com maior interação.

Este fluxo de nutrição pode ser feito através de ferramentas de email marketing.

Bons exemplos são:

– Mailchimp;
– RD Station;
– Infusion;
– Soft;
– E-goi;
– Mautic;
– MediaPost.

Elas tornam o processo escalável e eficiente, mantendo todos os relatórios necessários para avaliar e eficácia da estratégia e avançando o lead nos estágios do funil de venda.

As ferramentas de e-mail marketing são indispensáveis para campanhas digitais e é algo que nos permite testar variações de chamadas, textos, assuntos para que possamos atingirmos os resultados. Uma dica importante: sempre abuse de segmentações, listas de contatos bem estruturadas e mensure tudo que for importante.

 

Ficou mais fácil apagar o histórico de busca do Google

O Google armazena nossos históricos de busca há anos a fim de criar um banco de dados que, de acordo com a companhia, ajuda a melhorar a experiência do usuário. Entretanto, diversas pessoas sentem sua privacidade invadida por haver este tipo de registro. Existe então a possibilidade de apagar este histórico, porém, ele é deletado apenas da sua conta. A empresa continua com um backup dessas informações salvo em seus servidores.

Atualmente, a empresa anunciou que o usuário vai poder rever e deletar o histórico que está armazenado no próprio Google. Antes, os controles de privacidade eram ocultados nas configurações do Chrome. Entretanto, o Google decidiu tornar a exclusão do registro mais rápida e acessível. Num momento onde a privacidade e a segurança norteiam boa parte dos debates sobre a internet, a medida parece ter sido tomada para que o Google mantenha uma imagem positiva perante seus usuários.

No momento, a atualização está disponível apenas para computadores, mas em breve a novidade vai chegar nos smartphones. Inclusive, o Google vai expandir essas novidades para outros serviços, como o Google Maps, por exemplo.

Assista o vídeo onde a empresa fala sobre as novidades aqui. Na animação, de apenas um minuto, o Google compartilha informações de como utiliza os dados captados de seus usuários e o porquê eles são tão importantes para a companhia.

Qual é a diferença entre Redes Sociais e Mídias Sociais?

Popularmente, as pessoas consideram que redes sociais e mídias sociais são a mesma coisa. Entretanto, será que isso é verdade?

Saiba a diferença entre os termos abaixo:

Redes sociais

O significado de “rede social”, nada mais é que um grupo de pessoas, onde cada uma tem um nível de relacionamento ou interesse. Ganhando, dessa forma, o termo de “relationship site” (site de relacionamento), onde hoje é conhecido como redes sociais. Ou seja, a rede social se baseia em suas relações virtuais com pessoas próximas e tem objetivo de aproximar novas pessoas que tem o mesmo interesse que o seu.

Mídias Sociais

Já mídias social é a difusão de uma mensagem, usada para produzir e compartilhar novos conteúdos e ter interatividade. É uma ferramenta baseada em um blog. Como por exemplo, o Facebook. Ele é uma mídia social, que tem como principal objetivo distribuir conteúdos novos, com interatividade e níveis de relacionamento, assim atuando também como rede social.

Facebook lança portal para cidadãos interagirem com candidatos eleitos

O Facebook acaba de lançar nesta segunda-feira (08/10) o Portal do Cidadão. Ele é uma ferramenta que ajuda as pessoas a encontrar, seguir e entrar em contato com candidatos escolhidos.

Através desse portal, será possível entrar em contato com autoridades municipais, estaduais e federais. Além disso, ele vai permitir pesquisar e interagir com entidades de serviços locais, como por exemplo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) ou a Polícia Civil. Também poderá ser visto um feed somente com assuntos que seu governo está publicando no Facebook.

Para usar esse recurso basta acessar pelo menu da rede social. Escolhendo a opção “Entrar em contato” com um determinado representante ou agência, serão exibidos os meios de contato listados pela página oficial. Incluindo a possibilidade de enviar uma mensagem diretamente pelo Facebook.

O Brasil é o segundo país no mundo a ter o Portal do Cidadão no Facebook. O primeiro foi os Estados Unidos, que onde o recurso já possibilita conexões entre eleitores e autoridades eleitas desde 2016.

Para se manter informado, esta ferramenta pode ser uma boa opção para se comunicar com os candidatos e governantes. Seja para criticar uma política, ou até mesmo para dar sugestões de problemas sociais, regionais e fiscalizar o que estão fazendo.

O que o recurso faz é providenciar uma lista com essas páginas de caráter público. Além disso, elas podem ser visualizadas em um feed especial. Ou seja, totalmente restrito para consultas do que os governantes andam fazendo, projetos, visões pessoais e outros.